* UNIVERSIDADE PLANETÁRIA DO FUTURO, fundada em janeiro de 2010, pelos Grupos ARTFORUM Brasil XXI

*** Século XXI. A Universidade Planetária do Futuro - UNIFUTURO foi organizada em 2009.São seus Fundadores: As famílias: D.G.F.C., M. F. F. R., A.M.F.G., J.L.C.F. J.L.C.F. Os fundadores são patronos dos Grupo ARTFORUM Brasil XXI que foi organizado em 2001- XXI. Setores UNIFUTURIO: Conselho Universitário, Diretores de áreas acadêmicas, departamento e Grupos de pesquisa, comunicação, edição, divulgação de suas e matérias, artigos institucionais, academias, revistas, sites, blogs e matérias de convidados, como professores, doutores, jornalistas, e homenagens especiais. *** Enunciados da Carta Magna da UNIFUTURO: Os fundadores, patronos, a presidência, diretores, consultores e diretores do presidência do Grupo ARTFORUM Brasil XXI, do seu Projeto especial, Universidade Planetária do Futuro prestam tributo à Humanidade, à Paz Mundial, ao Brasil de 5 séculos; Aos povos da África e do mundo; A todas as etnias que formam o povo brasileiro; Às montanhas e aos picos da Terra; A todas as florestas; águas, oceanos, mares, rios, riachos e fuos de água dos cinco continentes; À Amazônia sua biodiversidade e à biodiversidade brasileira e do planeta. Brasil, março de 2009, Séc. XXI. Boas vindas! Bienvenidos! Welcome#

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A Universidade Planetária do Futuro divulga: Somos 7 bilhões de pessoas no planeta, segundo a ONU

A Universidade Planetária do Futuro -Ano II e os Grupos ARTFORUM UNIFUTURO - 12 anos registram em seu "Memorial Estação do Futuro",  o marco mais importante do nosso tempo: SOMOS 7 BILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO!

Conforme informação oficial da ONU somos 7 milhões de pessoas no planeta, nessa data de 31 de outubro de 2011 - Século XXI!
A ONU - Organização das Nações Unidas orienta que haja maior responsabilidade coletiva no mundo, novas atitudes diante do meio ambiente, projetos de sutentabilidade em maior escala em prol da energia limpa, por parte das indústrias e de cada cidadão.

Nós, da Universidade do Futuro desejamos que haja a organização de uma nova corrente filosófica, social, ecológica e cultural diante do presente-futuro! Que possamos assumir nosso papel de "novos cidadãos planetários"!

A Universidade Planetária do Futuro lança, na data de hoje, uma nova campanha, cujo conceito é:

"Sou cidadão planetário, defendo a Paz e a Vida no Nosso Planeta"


Em breve essa campanha estará sendo desenvolvida, através de manifesto, exposição de pôsteres, de artes, literatura e poéticas contemporâneas.

O ANO DE 2012 SERÁ DE MUDANÇA E TRANSFORMAÇÃO, É O QUE PREVEMOS!

Somos idealizadores da Cultura Humanista-Planetária XXI

Grupos ARTFORUM Brasil XXI
Brasil, 31 de outubro de
Universidade Planetária do Futuro - Ano II
Conselho Diretor, Presidência,

Centros e Departamentos Acadêmicos,
Centro de Ciências do Meio Ambiente
.
Departamento de Divulgação Eco-CulturalAna Felix Garjan e Grupos
...
GEOGRAFIC - 7 MILHÕES



..................................................................

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

DESAFIOS PARA OS SISTEMAS DE EDUCAÇÃO, Profa. Dra. Maria de Fátima Félix Rosar


A Universidade Planetária do Futuro - Ano II,
através dos seus Centos de Ciências Humanas, de Ciências Sociais e Departamento de Comunicação e Divulgação Científica divulga palestra da Profa. Doutora em História e Filosofia da Educação, pela Unicamp, membro do HISTEDBR e uma das fundadoras do HISTEDBR - MA.

A palestra foi proferida para um grande público, na semana passada, no dia do ato de criação do Fórum Estadual de Educação (Fórum Oficial) instalado pela Secretaria de Educação do Estado do Maranhão.

Sua palestra foi e é considerada como importante contribuição teórica e histórica aos Fóruns Estaduais de Educação no Brasil. Ela tem sido, longo de 25 anos, uma importante pesquisadora na área da História, Sociedade e Educação. É autora de livro sobre a educação, de inúmeros textos cientícos publicados em livros e revistas, bem como de centenas de palestras em universidades, fóruns sobre educação, ciência e política. Ela é presidente do Conselho Consultivo da Universidade Planetária do Futuro.

A seguir, a palestra que foi transcrita para o "Fórum Maior" da UNIFUTURO:


DESAFIOS PARA OS SISTEMAS DE EDUCAÇÃO




Maria de Fatima Felix Rosar





Compareço a este evento na condição de coordenadora de um grupo de pesquisa denominado - História, Sociedade e Educação no Brasil (HISTEDBR), cuja coordenação geral é feita pelo Prof. Dermeval Saviani e o Prof. José Claudinei Lombardi, na Unicamp. Vale ressaltar que esse grupo completou 25 anos de existência. O núcleo local do HISTEDBR, no Maranhão, tem uma coordenação colegiada e reúne um conjunto de 16 pesquisadores. Temos uma história para contar, no que diz respeito às lutas empreendidas pelos educadores maranhenses, ao longo dos últimos 20 anos. Naturalmente, não faremos esse relato neste momento, mas apresentaremos um recorte dessa história que se articula com a finalidade do ato de instalação do Fórum Estadual de Educação, qual seja refletir sobre os desafios para os sistemas de educação.



O ato de instalação do Fórum Estadual de Educação, criado e composto a partir da iniciativa da Secretaria de Educação do Estado do Maranhão, conforme definição do Ministério da Educação, coloca-nos diante de uma ação política que nos remete, necessariamente, a uma reflexão de ordem histórica e filosófica, lembrando que história e filosofia formam um único bloco de expressão da ação humana. Gramsci, filósofo e comunista italiano, nos relembra em sua obra essa relação que não é abstrata, mas se concretiza em cada ato realizado.



A partir desse pressuposto, serão feitas pontuações de aspectos estratégicos sobre o processo de construção de possibilidades para o enfrentamento do desafio da implementação de um Plano Nacional de Educação, ainda em tramitação no Congresso Nacional.



A primeira pontuação busca destacar a questão do Estado em sua configuração real no Brasil e no Maranhão. Poder-se-ia reconhecer no seu funcionamento um Estado democrático? Sim e não. Parte da sociedade que constitui as forças hegemônicas que controlam o Estado ( a sociedade política em suas diferentes instâncias) afirmará, de forma positiva, a existência de um Estado democrático e de Direito. Outra parte da sociedade, aliás, as camadas majoritárias, incluindo trabalhadores da cidade e do campo, poderão responder de forma negativa, dadas suas condições de vida e de trabalho. Como isso se articula com a questão da educação pública? É relativamente simplificada essa análise, mas a relação é visível no processo sistemático de subtração dos direitos sociais e individuais que continuam sendo sonegados às classes populares. Escolas públicas, em geral, carecem de qualidade, em todas as suas dimensões. Há alguém que não conheça essa realidade no Maranhão? Além do que se vê, há ainda o que não se vê, ou seja, a não existência de escolas nas comunidades indígenas e quilombolas, que continuam a ser excluídas, mesmo quando são priorizadas. Portanto, um primeiro e grande desafio é implantar-se uma política de Estado, fazendo-o acionar os mecanismos que o tornem democrático, embora seja apenas relativamente democrático, dado que é impossível alcançar a democracia plena numa sociedade capitalista.



Nesse contexto, como se pode concretizar a finalidade do Fórum Estadual de Educação no enfrentamento dessa realidade por demais conhecida e avaliada pelos especialistas em educação, nas suas diferentes funções, e pelos dirigentes educacionais, nos seus diferentes cargos? Ao Fórum Estadual de Educação está atribuída a mesma competência que tem o Fórum Nacional, qual seja, promover espaços de debate sobre a política nacional de educação e acompanhar, no Congresso Nacional, a tramitação de projetos legislativos que tratam da política nacional de educação. Consequentemente, no Maranhão, deverá acompanhar os projetos em tramitação na Assembleia Legislativa. Está ocorrendo, atualmente, o debate de projeto que impõe graves perdas ao magistério da rede estadual, historicamente penalizado. O que fará o Fórum Estadual de Educação em relação a esse quadro?



Poder-se-á considerar precoce essa cobrança de ação política concreta do Fórum Estadual de Educação. Todavia, espera-se que ele tenha essa iniciativa nos próximos meses isto é, que se envolva de modo decisivo, nas questões cruciais da educação no Maranhão. Devemos apostar nessa hipótese. Devemos confiar que os seus integrantes estarão dispostos a fazer uma articulação virtuosa entre a sociedade civil e a sociedade política, afastando-se da possibilidade de se tornar apenas mais uma instância do Estado. Os educadores maranhenses têm realizado uma luta histórica pela educação de qualidade social e o Fórum Estadual de Educação pode se tornar um interlocutor privilegiado na continuidade desse processo de construção de outra escola pública no Maranhão.



Não será despropositado recordar que foram as entidades sindicais ANDES, CNTE e FASUBRA, além da, UNE, UBES e as entidades científicas como ANPED, ANDE e CEDES que deram início ao processo de constituição do Fórum Nacional em Defesa da Educação Pública, que assumiu a liderança do debate das questões fundamentais da educação na Constituinte e, durante a tramitação da LDB, enfrentando as dificuldades de participação que são impostas à sociedade civil, pela falta de recursos e de autonomia, diante do vigoroso aparelho de Estado que se expandiu, principalmente, em direção ao fortalecimento de medidas neoliberais privatizantes, desconsiderando a educação e as outras políticas públicas como políticas de Estado.



“Com a participação de um público estimado entre 1.400 a 6.000 pessoas, realizaram-se as Conferências Brasileiras de Educação: I CBE (São Paulo,1980), com o tema “Política educacional”; II CBE (Belo Horizonte,1982), com o tema “Educação: perspectivas na democratização da sociedade”; III CBE (Niterói, 1984), com o tema “Das críticas às propostas de ação”; IV CBE (Goiânia, 1986), com o tema “Educação e Constituinte”; V CBE (Brasília, 1989), com o tema “Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: compromisso dos educadores”; e VI CBE (São Paulo, 1991), com a participação de mais de 6 mil educadores.” ( BOLLMAN, 2010)



De igual modo, nos anos que se seguiram, durante a tramitação da LDB e elaboração do Plano Nacional da Educação, as ações do Fórum Nacional em Defesa da Educação Pública se sucederam mediante a realização dos Congressos Nacionais de Educação.



“O I Congresso Nacional de Educação (Belo Horizonte, julho/agosto de 1996)MG reuniu mais de 6 mil pessoas, com os objetivos de organizar a intervenção nos processos de elaboração e tramitação da LDB e sistematizar as diretrizes educacionais para a elaboração do PNE – Proposta da Sociedade Brasileira. O eixo norteador desse Congresso foi “Educação, Democracia e Qualidade Social”, que acompanhou os demais Congressos. Teve como tema central: “Construindo um Plano Nacional de Educação.



O II Congresso Nacional de Educação foi realizado em novembro de 1977, na cidade de Belo Horizonte. Com base nas diretrizes do I CONED e mobilizadas após a promulgação da LDB (dezembro de 1996), as entidades do FNDEP promoveram, em todo o território nacional, inúmeras atividades que antecederam e garantiram a realização do II CONED, que culminou com a consolidação do PNE- Proposta da Sociedade Brasileira, oferecendo à sociedade uma proposta de educação sustentada na defesa de princípios éticos voltados para a busca de igualdade e de justiça social.



O PNE – Proposta da Sociedade Brasileira- teve como ponto de partida um diagnóstico de necessidades e limitações, construído com base na realidade nacional e através de comparações com o que ocorre ou ocorreu em outros países. A partir desse diagnóstico, foram apresentadas propostas para a Organização da Educação Nacional, em particular, para a configuração do Sistema Nacional de Educação, para a Gestão Democrática da Educação Brasileira e para o Financiamento da Educação. Foram analisados aspectos significativos dos Níveis e Modalidades da Educação, sendo apresentadas diretrizes e metas para a Educação Básica, a Educação Infantil, o Ensino Fundamental, a Educação de Jovens e Adultos, com vistas, sobretudo, à Erradicação do Analfabetismo, o Ensino Médio e Educação Profissional e a Educação Superior. Foram também analisados os problemas e apresentadas diretrizes e metas relativas à Formação de Profissionais da Educação, tanto para o magistério, como para as áreas técnica e administrativa, nos diversos níveis modalidades de ensino.



O III Congresso Nacional de Educação ocorreu em dezembro de 1999, em Porto Alegre, numa conjuntura de disputa de projetos educacionais, mais uma vez reeditando, com diferentes personagens, a condução do processo democrático de elaboração de sua proposta alternativa de educação – a do Fórum Nacional.



O IV Congresso Nacional de Educação realizado em abril de 2002, na cidade de São Paulo, ocorreu em um contexto de enfrentamento entre dois projetos opostos de educação – já estava aprovada a Lei n. 10.172 do PNE (janeiro de 2001), do governo Fernando Henrique Cardoso, e o outro Plano, o do FNDEP, com uma concepção de educação pública e gratuita de qualidade social, sob a responsabilidade do Estado, como nação autônoma e soberana.



O V Congresso Nacional de Educação foi em maio de 2005, em Recife. Foi realizado numa conjuntura de ampliação e aprofundamento das consequências de políticas desastrosas para as áreas sociais, nos quinze anos de governos civis. O tema do V CONED, “Educação não é Mercadoria”, manifestava a preocupação vigente do FNDEP – concepção presente nos congressos anteriores – com os interesses que subjazem à direção política em que a produção do conhecimento científico, cultural e artístico e sua socialização pela educação e ensino estavam ameaçadas pelo mercado lucrativo, ampliado em âmbito mundial”. (BOLLMAN,2010)



Qual o sentido dessa recuperação do histórico dos Congressos realizados pelo Fórum Nacional em Defesa da Educação Pública? Certamente, recuperar parte da história das lutas dos educadores brasileiros que tem se realizado desde a primeira República, tentando se fazer ouvir através de suas organizações, sejam sindicais ou acadêmicas e científicas, por terem acumulado conhecimento teórico e prático sobre a realidade da educação e terem construído projetos pertinentes para o desenvolvimento da educação nacional.



Do mesmo modo que foram se sucedendo essas ações no âmbito federal, aqui no Maranhão, a agenda do Fórum Estadual em Defesa da Educação Pública não foi diferente. As organizações estudantis, sindicais e científicas, além de outras organizações da sociedade civil, dedicaram-se ao debate e à elaboração de proposições para a LDB e para o Plano Nacional de Educação . Foram realizados eventos em municípios - polo, depois sistematizados esses conteúdos em seminários temáticos em São Luís. Portanto, de igual modo, produziu-se um acúmulo de conhecimento e de elaboração significativa, sem que se tenha alcançado resultados mais substanciais diante do esforço empreendido. Novamente, o Fórum mobilizou-se durante o debate preparatório para o CONAE, desde 2009. Desta feita, o Fórum Estadual foi rearticulado, a partir de ações do Instituto Formação e do Portal da Educação da Baixada Maranhense. Percorremos municípios, realizando a análise do documento do governo federal e elaborando propostas de emendas.



Esse breve relato mostra, de forma nítida, que existe um movimento contraditório por parte dos governantes. Há uma convocação geral para que a sociedade se mobilize, porém, quando ocorre a participação efetiva, pertinente e competente, os segmentos que têm esse conhecimento acumulado são tolhidos e, muitas vezes, reprimidos. A sociedade política parece desconhecer que, justamente, encontra-se na sociedade civil o lócus de onde se origina o poder que se institui nas instâncias do Estado.



É evidente que existe uma disputa de projetos políticos e pedagógicos. A educação é uma área dedicada à formação humana e aí está a razão da disputa. Estamos falando de processos civilizatórios e eles requerem seres humanos que podem ser emancipados e autônomos ou podem ser subordinados e subjugados a processos de trabalho que dão formato às suas mentes, segundo as demandas do processo de produção de uma sociedade, em que ainda predomina a exploração e o acúmulo de riqueza concentrada na mão de uma classe que domina a produção econômica e a dinâmica da política. Entretanto, o quadro da crise que se arrasta no mundo, desde 2008, que não é apenas uma crise conjuntural, mas tem profundo caráter estrutural, tem demonstrado a ineficiente gestão da sociedade por essa classe dirigente. A riqueza gerada pelas classes trabalhadoras esteve sempre, no Brasil, sob o controle e gestão política e financeira da mesma classe, da burguesia.



A realidade histórica do Maranhão não deixa dúvida sobre a constituição do apartheid social que vem se reproduzindo há séculos. Os quilombolas e indígenas, quando fazem explicitar em atos e manifestações públicos os processos de violência aos quais são submetidos, revelam as forças poderosas dos setores políticos e econômicos do Estado, tornando evidentes a origem dos processos de expulsão da terra, de exploração do seu trabalho e de sonegação da sua dignidade.



De que modo o Fórum Estadual de Educação terá que se implicar nessas arenas de luta? Tratar da política de expansão quantitativa e qualitativa da educação maranhense pode ser uma grande contribuição. Mas, quais os desafios a enfrentar, considerando esses antecedentes históricos do modo de implementação de políticas públicas destinadas aos segmentos mais empobrecidos? Acompanhar a agenda do Fórum Nacional ou colocar em questão a própria Política Nacional em curso, no primeiro governo da Presidente Dilma, bem como a política que se implementa no Maranhão, na atualidade?



Sabem todos os integrantes do Fórum que o déficit social e educacional do Maranhão é um dos mais ampliados. Atuar de modo orgânico seria a melhor alternativa, o que significa enfrentar as questões articuladas entre os níveis de ensino, desde a educação infantil até o ensino superior. Para que isso se viabilize, há que se fazer o debate da relação entre o Estado e os Municípios e a União. Entretanto, antes de assumir esse papel de mediação junto à União, o Estado precisa abrir uma agenda de debate com os municípios. Embora a Constituição Brasileira tenha adotado essa configuração ímpar de Estado Federativo com entes subnacionais autônomos, não se pode ignorar que existe um compromisso para além da natureza das instâncias políticas com a realização, embora tardia, de um ideal republicano postergado por mais de cem anos.



Deve-se constituir como prioridade absoluta a implementação dos Planos de Carreira e de Salários, concretizando a tão alardeada valorização dos profissionais da educação. Esse pré-requisito pode ser o marco inicial do funcionamento do Fórum Estadual de Educação, no sentido de contribuir para que se instale a condição favorável e adequada de trabalho para as professoras e professores. Somente a partir dessa medida será possível discutir as questões da escola de tempo integral, dos projetos curriculares transversalizados e desenvolvidos de forma interdisciplinar no ensino médio, ensino fundamental e a educação infantil, além do trato especialíssimo que merece a temática da formação de professores, com salário integral e bolsas de estudo, em programas presenciais de graduação e formação continuada.



Esses fundamentos econômicos e políticos precisam ser construídos, com a efetiva participação do Fórum Estadual de Educação, para criar os espaços para o debate, tal como definiu o Ministério da Educação, de modo que a sociedade civil organizada, a partir das entidades sindicais, científicas e estudantis sejam, de fato, reconhecidas como interlocutores legítimos desse processo de construção de uma outra história da educação no Maranhão. O diálogo entre o Fórum Estadual de Educação e o Fórum Estadual em Defesa da Educação Pública precisa se materializar, tanto através de sua representação, tal como se efetivou, com a indicação que se fez das Professoras Regina Cabral e Lúcia Carvalho, como deve se expandir no sentido da definição de uma pauta de debates.



Será inadiável fazer a superação dos modelos que foram herdados do período do governo FHC, quando os organismos internacionais ditaram os padrões a serem implementados na gestão política, pedagógica, administrativa e financeira para os sistemas de educação dos estados e municípios. Essa tradição de adoção de pacotes vem de longa data, no caso particular do Maranhão, quando ainda no período dos governos militares, mais precisamente, a partir de 1971, foi imposto um processo desastroso de municipalização da rede de ensino primário, jogando para o nível das administrações municipais o encargo com o nível de ensino mais importante e mais definidor do processo de desenvolvimento da criança e do adolescente.



O Plano Nacional de Educação poderia ser esse referencial político-jurídico e pedagógico a viabilizar um salto de qualidade da educação nacional. Para que isso ocorra, sabe-se que é preciso travar um combate vigoroso no âmbito do parlamento brasileiro. Ali estão arraigadas formas de funcionamento do Estado que deixam marcas visíveis da sua natureza, enquanto um Estado capitalista. É no âmbito desse Estado que se desdobra, mais uma vez, uma luta entre dois projetos. O projeto que foi elaborado como síntese do trabalho de milhares de educadores durante a CONAE, foi descaracterizado e substituído pelo atual projeto, que ainda poderá ser modificado, desde que a sociedade civil organizada atue sobre o Congresso Nacional. A luta é, sem dúvida alguma, uma luta que expressa interesses contraditórios das diferentes classes sociais, pois as questões fundamentais que criam barreiras na sua tramitação estão relacionadas, principalmente, aos recursos destinados à educação e ao modo de gestão de um sistema nacional de educação.



Nesse sentido, é preciso rever as metas propostas pelo governo e, mais do que isso, é preciso garantir que existam os recursos necessários. Os 10% do PIB, segundo o Ministro, poderiam ser atingidos, ao anunciar que será garantido entre 7% e 10%. Entretanto, no horizonte do governo federal, esses 10% somente seriam atingidos em 2020. Diante dessa constatação, cabe às organizações da sociedade, nele incluídos o Fórum Estadual de Educação e o Fórum Estadual em Defesa da Educação Pública, fortalecerem as campanhas que serão deflagradas pelos sindicatos e suas centrais, de modo que se construa uma demanda pelos 10% do PIB, a partir de 2012, mas, sobretudo, para que se estabeleçam mecanismos eficazes de controle social sobre a aplicação desses recursos. De nada valerá aumentar os recursos orçamentários, se continuarem a ser diluídos milhões de reais nas atividades-meio, em grande medida, de forma ilícita, sem que se atinja a atividade-fim da educação que acontece, cotidianamente, nas salas de aula de todo o país.



Desde que se concebeu a ideia de um Fórum Nacional como instância de definição da política de educação do país, ainda no final dos anos 80 e durante a década de 90, ele teria um caráter deliberativo e seria considerado a instância máxima de decisão sobre os rumos da educação nacional. Entretanto, essa definição se restringiu, na atualidade, a uma instância promotora do debate e do acompanhamento dos projetos no Congresso Nacional. Esse perfil restrito precisa ser superado.



Na realidade, trata-se de reconhecer à sociedade civil o direito que emana de sua constituição como força social de poder participar, de forma efetiva, na definição de diretrizes para a educação nacional, o que implica o compartilhamento de atribuições que se mantém sob o controle da sociedade política. Assim, poder-se-ia alcançar um grau mais avançado de democratização da educação, retirando-a da mão de grupos que a usam como moeda de troca, em lugar de reconhecer que ela é a única atividade capaz de garantir a superação dos padrões de desenvolvimento ainda vigentes no Brasil, em que os valores econômicos assumem caráter absoluto na definição de critérios relativos à condição de vida, de saúde, de educação, de gestão do patrimônio social, que são os recursos culturais, científicos e ambientais, que pertencem a todas as brasileiras e a todos os brasileiros, de forma irrestrita.



Pensar os desafios do funcionamento dos sistemas de educação implica, necessariamente, abrir o debate sobre a redefinição dos poderes no âmbito da sociedade civil e da sociedade política. Assim, os órgãos e entidades que compõem o Fórum Nacional da Educação precisam ser provocados nessa direção. De igual modo, o mesmo precisa ocorrer no Maranhão, para que não se realize, daqui a 10 anos, um processo de elaboração de um novo Plano de Educação, tendo que voltar aos mesmos problemas e discutir novamente as mesmas alternativas que já foram elaboradas sobejamente, desde os anos 1980.



Quando a história se repete, existe grande possibilidade de ser avaliada como farsa. Nós educadores sabemos que o Brasil acumula em sua história recente os mais completos diagnósticos da educação, em todos os seus níveis, também acumula elaborações teóricas e metodológicas que são consideradas como muito relevantes, do ponto de vista científico e social. Então, a pergunta que fica se reproduzindo sempre é o que nos falta para realizar uma revolução na educação do país?



Referência bibliográfica

BOLLMANN, Maria das Graças Nóbrega. Educ. Soc., Campinas, v.31, n.112,p.657-676, jul-set. 2010)

.......................................

A Universidade Planetária do Futuro - Ano II fará, em breve, homenagem especial ao HISTEDBR - Grupo de Estudos e Pesquisas "História, Sociedade e Educação no Brasil" - Faculdade de Educação / UNICAMP, pelos seus 25 anos, em 2011.


HISTEDBR
                                                          http://www.histedbr.fae.unicamp.br/



Brasil, 26 de outubro de 2011

Universidade Planetária do Futuro - Ano II
*Conselho Universitário
*Centro de Ciências Humanas
*Centro de Ciências Sociais
*Centro de Pesquisa Científica
*Centro de Ciências do Meio Ambiente
*Centro de Artes, Letras e Cultura
-Rede de Academias de Cultura, Letras, Artes e Ciências

Universidade Planetária do Futuro - Ano II
Centro de Pesquisa e Divulgação do Conhecimento
...
Conselho Consultivo da UPF:
Profa. Dra. Maria de Fátima Félix Rosar
Profa. Dr. Orlando Oscar Rosar
Profa. Dra. Maria Inês Hamann Peixoto
Prof. Dr. Xerbe Xavier
Prof. Néocles Costa Carvalho
...
Presidente Executiva da UPF
Departamento de Divulgação Cultural e Científica
Socióloga Ana Maria Felix Garjan e Grupos
Grupos ARTFORUM Brasil XXI - 12 anos
Cultura Humanista - Planetária
Manifesto Verde Pela Paz da Humanidade e do Planeta:
______________________________________

sábado, 22 de outubro de 2011

Art Shopping no Carrousel Du Louvre, nos dias 22 e 23/10, com a participação de artistas brasileiros

Exposição Art Shopping, no Carrousel Du Louvre - Palais Royale - Musée du Louvre, em Paris - France

A vernissage foi realizada ontem,
dia 21/10/2011, no horário das
das19:00 às 22:00hs.
Dias da exposição:
22 e 23 /10/2011.


Participam artistas franceses, europeus, brasileiros e de outros países.
.

A ANAP - Academia Nacional de Artes Plásticas é representada, nessa mostra, através
do Sr. Edilson E. Barbosa, que participa da Art Shopping, como representante da ANAP.
Ele coordenou as inscrições e a ida das obras dos artistas brasileiros, para Paris.

Salão de exposições do Carrousel Du Louvre, em Paris

   
A pintora e profa. de arte Ana Luisa Kaminski,
de Florianópolis - Santa Catarina, participa da
exposição, entre artistas plásticos brasileiros
que se inscreveram para o Salão Art Shopping.
Ana Luisa Kaminski participa da exposição com
sua pintura "Ninfa Rosada" ( foto ao lado).

Sobre a ANAP
A Academia Nacional de Artes Plásticas, com
sede em Poços de Caldas - Minas Gerais, é uma
instituição cultural civil de direito privado, sem fins
lucrativos, que tem contribuido com a valorização
de artistas, através de concursos, premiações,
exposições de pintores, desenhistas e escultores
em cidades brasileiras, da Europa e EUA.

Artistas plásticos de outras organizações de artes plásticas estão participando da ART SHOPPING.

Os Grupos ARTFORUM Brasil XXI e a Universidade Planetária do Futuro parabenizam todos os artistas brasileiros, franceses e de outros países, que estãoparticipando do Salão Art-Shopping, apresntada no Carrousel du Louvre, nas datas de 21 (Vernissage), 22 e 23/10, da exposição de arte contemporânea aberta ao grande público. Amanhã, domingo, a exposição estará aberta até às 22 horas, e terá seu encerramento de sucesso.
(Obs: horário de verão, Brasília).
O Brasil se fêz representar nos dois salões Art Shopping, de junho e outubro/2011. A curadoria
da organização já anunciou, em seu site, a exposição Art Shopping 2012, dias 9 e 10 de junho.

Congratulações aos promotores. curadores e artistas plásticos participantes dessa mostra, que
reune diversas tendências da arte contemporânea, de diversas regiões brasileiras.

Divulgamos o site do Salão Art Shopping: :
http://www.salon-artshopping.com/

Sobre as inscrições para o próximo salão, em 2012:
http://www.salon-artshopping.com/art-contemporain/s-inscrire-pp13.htm
.
O Brasil está representado pelo Acadêmico Sr. Edilson Barbosa.
Ele tem contribuido com a ANAP e com os artistas associados,
em prol da valorização maior dos artistas plásticos, desenhistas
e escultores, através de exposições e intêrcâmbio no Brasil, na
Europa e EUA.

À ANAP, aos organizadores, curadores e artistas brasleiros as
congratulações dos Grupos ARTFORUM Brasil XXI - 12 anos,
e da Universidade Planetária do Futuro - Ano II.
Site da ANAP: http://www.anap.art.br/

(Fotos e informações do site oficial)

.................................................

Divulgação:
Ana Felix Garjan, Diretora cultural
Grupos ARTFORUM Brasil XXI
____________________
ARTFORUM Brasil XXI
Universidade Planetária do Futuro
Revista Planetária - Artforum Internacional
 ...................................................

sábado, 15 de outubro de 2011

Luiza Caetano lançou seu livro "Poemas de Amor e de Raiva", na Livraria do Museu da República, no Rio

A Universidade Planetária do Futuro tem a satisfação de registrar o lançamento do livro 'Poemas de Amor e de Raiva', de Luiza Caetano, filósofa, escritora, poetisa, pintora e acadêmica pela ABLA - Academia Boituvense de Letras e Artes - SP, que foi realizado na Livraria do Museu da República, no Rio de Janeiro, na data de hoje, 15 de outubro de 2011.


Homenagem especial à Luiza Caetano, uma importante personalidade internacional das artes e da literatura, que tem acompanhado e prestigiado o trabalho cultural e artístico dos Grupos ARTFORUM Brasil XXI, através de sua diretora Ana Felix Garjan. Para nós dos Grupos ARTFORUM Brasil XXI, Luiza Caetano passou a ser considerada, desde 2008, uma importante pessoa que tem contribuido com a ampliação de elos culturais e artísticos entre centenas de artistas brasileiros e portugueses, desde os meados da 1ª década do Século XXI. A ela nosso agradecimento pelo apoio aos nossos projetos humanistas e culturais.


Luiza Caetano - Natural da Venda do Pinheiro - Mafra - Portugal

Ela escreve desde que "aprendeu a juntar as letras". Participou em jornais de Portugal, Angola, e França, também em várias antologias onde se destacou obtendo o 2º Prêmio na Antologia Delicatta II e 3º Prêmio na mesma Antologia III.

Foi das primeiras colunistas do Jornal o Rebate. Publicou o seu primeiro livro "LISBOA IN VERSOS", que teve lançamento em São Paulo pela Editora AllPrint, e na Casa das Rosas onde foi homenageada pela Fundação ArteForum Brasil, igualmente lançado na Casa da Cultura LAURA ALVIM - Livraria D. Laura no Rio de Janeiro com muito sucesso. O livro foi lançado, também, na Bienal do Rio de Janeiro de 2009.

Galardoada com vários 1ºs. prêmios e Menções Honrosas em Portugal e no estrangeiro a pintora Luiza Caetano está representada em vários países, tendo realizado mais de uma dezena de exposições individuais, e cerca de uma centena de colectivas em Portugal, nos Estados Unidos, África, Brasil, Turkia, Suissa, França, Espanha, Bélgica, Alemanha, Eslovênia, Bratislava, Itália e Israel, entre outros países. Foi considerada pelo crítico de arte italiano, Antônio Malmo uma das pintoras mais fiéis à autenticidade da pintura naif mundial."

Também o crítico de arte brasileiro Oscar de Ambrósio fez importantes elogios à pintora Luiza Caetano, mencionando-a no seu site. Mariza Campos da Paz inscreveu-a como Poeta dos Pincéis utilizando a célebre frase de Jorge Amado. Mereceu de um dos mais insígnes críticos de Arte, o portugues Edgardo Xavier, o destaque de ser considerada uma das pintoras mais realistas e emotivas contemporâneas.

O interesse que Luiza Caetano sempre sentiu pelas artes plásticas ampliou sua criação pictórica em 1988, ano da primeira mostra dos seus trabalhos, na Galeria de Arte do Casino Estoril, onde tem continuado a expor com regularidade, pricipalmente com suas participações nos salões Naïf, o estilo que a define. Destacando-se como uma artista de primeiro plano, sua obra está em Arte Permanente em várias galerias, nomeadamente na conceituada Gina`s Galeria em Telavive, estando igualmente representada em colecções particulares e oficiais como a Coleção da Epal do Museu da Água, no MIAN do Brasil, Centro Galileo de Madrid onde foi premiada por sua bibliografia de destaque.

O livro "Poemas de Amor e de Raiva" é o segundo de Luiza Caetano, que é presença de destaque em diversas antologias literárias em Portugal, França e Brasil onde foi premiada por diversas vezes. Ela tem participado regularmente em jornais e revistas de Artes e Poesia.

Votos de sucesso em sua arte, literatura e pensamento filosófico. Segundo Ana Felix Garjan, muitos dos seus poemas nos fazem sentir sua força nas palavras, em seus sentimentos poéticos, em sua paixão pela arte da palavra dita e revelada verdadeiramente, seja de amor ou de raiva. Alguns dos seus poemas nos fazem lembrar de uma das mais importantes escritoras brasileiras: Clarice Lispector.


"UM SINAL"

Deixa-me um sinal
quando quiseres.

Uma pedra, uma estrela
ou uma ave

um cheiro, um aroma
ou um morango


Uma cruz talhada na minha porta
Que o caminho eu acharei
encruzilhado
entre o gesto e o espanto
pressentido

entre o vácuo e o manto!
ou o mar !
ou o vento!
ou as velas do meu barco
parado algures
no inevitável
porto das esperas."
LuizaCaetano.

Luiza Caetano foi homenageada pelos Grupos ARTFORUM UNIFUTURO, em 2008, com a exposição de algumas de suas obras numa galeria virtual organizada em sua homenagem, no Pavillion das Artes do site dos Grupos Artforum Unifuturo.  A galeria virtual permanece desde então, e no livro de visitas do site estão registrados importantes comentários sobre suas pinturas sobre Lisboa, seus telhados e encantos.

Nos perfis dos Grupos ARTFORUM Brasil XXI, no Orkut, a pintora e poeta Luiza Caetano recebeu homenagem com uma grande exposição de fotos de suas pinturas, no PAVILLION ARTFORUM LUIZA CAETANO, desde outubro de 10/2008, organizado pela artista plástica e diretora da ARTFORUM, Ana Felix Garjan, que representa projetos dos Grupos ARTFORUM Brasil XXI, no Orkut e no FaceBook.

Em julho de 2009, houve o III lançamento, no Brasil, do seu livro 'Lisboa in Versos', cujo evento foi organizado por Ana Felix Garjan e realizado na Casa das Rosas - Espaço de Poesia e Literatura  Haroldo de Campos, em São Paulo. A Programação do evento foi intitulada POEME-SE PELA PAZ, e na ocasição ela recebeu o Diploma de Honra ao Mérito, por sua trajetória em prol da cultura, que foi lhe foi oferecido pela diretora presidente da Fundação Artforum Unifuturo Brasil XXI - Programa Universidade Aberta do Futuro " Telhados do Mundo".



Sobre seu livro Lisboa in Versos

No evento intitulado POEME-SE NO MUNDO PELA PAZ, Ana Felix Garjan contou a importante colaboração das poetisas brasileiras Sônia Maria Batista e Helena Jorge, com a partiicipação da cantora portuguesa, a fadista Conceição de Freitas e seus músicos que a acompanharam em grande estilo. Nessa ocasição a Sra. Luiza Caetano foi representada pela divulgadora cultura Sra. Dolores Jardim, que recebeu o Diploma de Honra ao Mérito oferecido pelos Grupos ARTFORUM à Luiza Caetano, por sua trajetória em prol das artes e culturas.

Ao longo desses anos mantivemos um diálogo cordial, amigo e fraterno que motivou a indicação do seu nome para ser Acadêmica Emérito Internacional da Academia Boituvense de Letras e Artes, no mês de setembro deste ano, quando uma das acadêmicas da ABLA representou Luiza Caetano nesse evento especial, presidido pela Sra. Presidente da ABLA, Condessa Adaljiza Cuan.

Na mesma ocasião da solenidade acadêmica, a escritora Luiza Caetano recebeu importante honraria concedida pelo Excelentíssimo Dom Alexander Maya da Casa de Lagash: A Medalha do Mérito Cultural Tiradentes. Ela como uma personalidade que sempre está no cenário da cultura portuguesa e brasileira, e merece essas outorgas e honrarias!

PALAVRAS



Palavras são como hinos
feitos poemas!


São emblemas
estandartes da emoção
todos os dias castradas
com ou sem razão!


Há um silêncio de catedral
em cada palavra
esculpida de riso e de lágrimas
quando a manhã acorda
despenteada pelo vento,
Como se o sonho
despertasse o espanto
ferido no limiar de cada manhã.


Enquanto elas,
as palavras
doem na fronteira
das limitações
como estilhaços
ou poeira vã.
LuizaCaetano


A seguir, algumas das centenas de pinturas de Luiza Caetano:

Essa bela obra foi a imagem de ilustração do seu livro "Lisboa in Versos"


A pintura naiff de Luiza Caetano nos revela doce romantismo e a arquitetura colonial de Lisboa.

O mar, telhados e caravelas de Portugal são pinturas encantadoras de Luiza Caetano


Mensagem especial

À Ilustríssima Senhora Luiza Caetano desejamos votos de uma longa trajetória cultural e artística, que muito honra Portugal e já conquistou o coração de centenas e centenas de poetas, escritores, artistas plásticos, entidades e organizações portuguesas, brasileiras, e de outros países. Sua presença no Brasil nos alegra e motiva novos elos humanos que ampliam abraços fraternos, conquistam amigos e conexões culturais. E a arte, a poesia e a literatura nos unem, cada vez mais, pois pessoas como Luiza Caetano sabem transformar palavras e sentimentos em reflexões que motivam mudanças e a realização de sonhos.

Sobre o lançamento literário de Luiza Caetano, foi publicada matéria na Academia Majestade ArtePoesia do Mundo: http://academiamajestadeartepoesiadomundo.blogspot.com/2011/09/luiza-caetano-lancara-livro-no-museu-da.html


Vídeo com pinturas de Luiza Caetano





Brasil, 15/10/2011
Universidade Planetária do Futuro - Ano II
Grupos ARTFFORUM Brasil XXI - 11 anos

Universidade Planetária do Futuro - Ano II
Departamento de Comunicação e Divulgação Cultural
Ana Felix Garjan e Colaboradores
...

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Os Grupos ARTFORUM Brasil XXI prestam homenagem a STEVE JOBS


Steve Jobs: Uma mente criativa, um revolucionário na informática e na comunicação.



Maçãs em homenagem à Steve Jobs, o criador do computador Mac até o iPad.

Nós, da ARTFORUM Brasil XXI 12 anos e da Universidade Planetária do Futuro já fazemos parte
do futuro, através dos nossos conceitos e perspectivas do hoje e do amanhã! E o futuro é possível no hoje, através de planejamento, realização de sonhos e projetos.

Lamentamos o falecimento de Steve Jobs, o co-fundador da Apple, que criou com o engenheiro Steve Wozniak, durante sua vida teve um espírito inovador, criativo, e investiu em suas próprias potencialidades, emoções, sensibilidade, pesquisas e produtos que foram e são importantíssimos para a comunicação, arte, elos e conexões.


Steve Jobs ousou criar e realizar mudanças revolucionárias na indústria da tecnologia, através da Apple, conquistando o mundo com ousadia e estética. Ele deixou um legado imenso: Sua genialidade e seus projetos que o levaram ao mais alto grau e patamar da eletrônica de consumo.
Após uma longa luta contra um câncer de pâncreas que foi diagnosticado em 2004, ele faleceu no dia 5 de outubro de 2011, aos 56 anos. Ele era a grande estrela da Apple, um verdadeiro artesão e artista que teve um grande sucesso em sua trajetória feita de sonhos, criatividade e realizações.

Ele foi o criador da cultura da Apple, foi personalidade de destaque, era um grande empreendedor e seu nome ficará nos anais da história da tecnologia. Esteve era um homem carismático, e desde 1976 foi o cocriador de uma das empresas  mais bem sucedidas do mundo, em valor de mercado, segundo analistas econômicos. E a cultura da inovação, a forma de pensar de maneira diferente, de assumir riscos, era a marca pessoal de Esteve Jobs, nascido na Califórnia, estado no qual nasceu, se criou e morreu.

Steve era uma pessoa perfeccionista, um empresário criativo, inovador e ousado, que ajudou a tornar os computadores mais amigáveis, e revolucionou a animação, a música digital e o telefone celular. Jobs marcou o mundo da tecnologia ao apresentar os produtos Macintosh, iPod, iPhone e o iPad.


Em 2009, Jobs fez um transplante de fígado e ficou afastado da companhia que fundou ao lado do engenheiro Steve Wozniak por vários meses. Mesmo com as licenças, Jobs continuou ativo na tomada de decisões da empresa, e em fevereiro, laçou o iPad 2, em março ele apresentar o produto ao mundo.


Steve era um perfeccionista, um empresário criativo, inovador e ousado, que ajudou a tornar os computadores mais amigáveis, e revolucionou a animação, a música digital e o telefone celular. Jobs marcou o mundo da tecnologia ao apresentar os produtos Macintosh, iPod, iPhone e o iPad. 

 


Steve apresentando o I Pod 2, em março de 2011. Sua última aparição.


Produtos lançados por Steve Jobs. A cultura de Steve Jobs foi a da criatividade, artte, tecnologia, estética e sensibilidade!

Jobs: Um homem genial que revolucionou o mercado da informática, no mundo.

Steve Jobs apresentando o computador pessoal de 32 polegadas. Uma maravilha!

Os novos produtos da Apple apresentados em março de 2011.


Steve Jobs e o Grupo U2, apresentando produtos que revolucionaram o mundo da música, através do iTunes.


Um último gesto de um revolucionário criativo, de um artista sonhador e ousado. Steve Jobs se despede do mundo, mas deixa sua alma criativa que será seguida pelos próximos revolucionários do futuro.  Tudo na vida é um caminho e uma passagem...


Steve Jobs era uma personalide de sucesso, e deixa sua personalidade carismática 


Ele deixa muitos benefícios para a humanidade através de suas idéias, pois ele era um visionário. Tinha a capacidade de sentir, ver e de implementar como pouco no mundo.


Foram publicadas na internet 21 lições de Steve Jobs, que divulgamos na Universidade Planetária do Futuro. Essas 12 licões Steve deixou para a humanidade.

1. Corra para aonde a bola vai Estar


Em 2007, Steve Jobs disse que os melhores jogadore do mundo correm para onde a bola vai estar, não aonde ela está. "Nos temos sempre tentado fazer isso na Apple. Desde o começo. E sempre tentaremos".

A habilidade de Steve de antecipar tendências futuras fez que com a Apple dominasse mercados agora gigantes, mas que não existiam a poucos anos, como vendas de musicas digitais (através do IPod e iTunes).

2. Veja o lado positivo

3. Aprenda com os outros

4. Comece Cedo


5. Faculdade Pode Ajudar
"Se eu nunca tivesse frequentado a cadeira de caligrafia, o Mac nunca teria múltiplos tipos de letras e espaços proporcionais".

6. Mas Faculdade Não é Tudo
Steve queria conhecimento, não um diploma.
Ao invés de se preocupar em tirar boas notas, ele co-fundou a Apple em 1975, ano que deveria o acontecer sua "formatura", caso tivesse se aplicado no estudos.

7. Conheça Coisas Novas
Viajar é uma maneira de ampliar os horizontes de uma pessoa expandindo seu senso do que é possível. Conhecer lugares, idiomas e culturas novas nos permitem criar novos referências, novas maneiras de ver e entender o mundo.

8. Se rodeie de bons profissionais
Steve Jobs não era um ótimo técnico. A Apple não teria nenhuma chance se Steve fosse o único construindo os computadores. Por isso ele contratou Steve Wozniak. Através dos anos as empresas de Steve deram frutos graças a muitas pessoas brilhantes que ele se cercou, como o CEO da Apple Tim Cook e o CCO da Pixar John Lasseter.

9. Pense Grande.
Tenha grandes metas. Não tenha medo de mudar o mundo. Mas se você não é exigente consigo mesmo e espera a melhor performance possível de todos seus colegas e funcionários, como espera que isso aconteça?

10. Aja Grande.
No começo da Apple Steve reconheceu que Palo Alto, Califórnia era o epicentro da inovação da tecnologia da computação. Steve queria que sua empresa fosse associada a esse lugar, mas a Apple era ainda apenas uma empresa de garagem em Los Altos.

11. Obstáculos São Feitos para Serem Superados
Jobs e Wozniak ficaram sem dinheiro enquanto desenvolviam o primeiro computado da Apple. Ao invés de desistir Jobs vendeu sua Kombi e Wozniak vendeu sua calculadora gráfica. Quando a vida lhe der um tapa na cara, não fique chorando. Levante-se, olhe ela nos olhos e diga: "É o melhor que você tem?".

12. Seja Responsável Por Seus Atos
Se todos os executivos não tivessem salários, mas somente fossem pagos mediante os resultados que apresentam, quantas crises financeiras teríamos? Como seria a eficiência de nossos governos se retirassem os infinitos auxílios XXX, estabilidade, pisos e todos recebesse baseado em sua produtividade?

13. Cerque-se de Craques
Jobs contratava pessoas apaixonadas e cultivava uma cultura de empresa excepcional, em ambas empresas, Apple e Pixar. Os maravilhoso filmes e produtos refletiam isso.

14. Assuma Riscos
Jobs estava disposto a canibalizar os produtos de sua empresa em nome do progresso. Muitos CEOs estariam hesitantes em desenvolver o IPhone, sabendo que ele ajudaria a transformar o IPod em algo obsoleto, mas Jobs fez mesmo assim (e ainda por cima deu uma grande mordida no lucrativo mercado de mobiles). Não tenha medo de assumir riscos, especialmente os riscos inteligentes.

15. Crie uma Marca Pessoal
Steve Jobs foi um dos primeiros a reconhecer a importância de ter uma marca pessoal, na era da internet. Sua camisa preta com jeans e apresentações de produtos com slides no fundo são tão reconhecidos hoje quanto a maçãzinha do logo da Apple.

16. Tenha um Propósito Alto
Buda disse, " Nós somos o que pensamos. Tudo que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o mundo". Mudar primeiro em nossas cabeças o que acreditamos conseguir fazer é tão importante quando tentar fazê-lo.

17. Encontre o Parceiro Certo
Não há decisão mais importante na sua vida do que escolher a pessoa certa para seguir junto com você no seu negócio. Escolha sabiamente (assim como Steve fez) , e você terá um parceiro que ajudará você a ver através dos desafios. É a visão além do alcance.

18. Erre, Mas não Pare
Todo mundo erra. Mas como você responde a seus erros que faz toda a diferença. Em 1984, Steve Jobs foi demitido da Apple, sua empresa que ele criou.

Em Standford no início de 2005, ele falou sobre isso:
"Eu não vi isso na época, mas acabou que ser demitido da Apple foi a melhor coisa que poderia ter acontecido para mim. O peso de ser bem sucedido foi substituído pela leveza de ser novamente um iniciante, com menos certezas sobre tudo. Isso me libertou para entrar num dos períodos mais criativos da minha vida. "


19. Faça o Que Você Ama, Ame o Que Você Faz


Palavras de Steve em seu discurso, em Standford


"Às vezes a vida bate na sua cabeça com uma pedra. Não perca a fé. Tenho certeza que a única coisa que me fez continuar, foi que eu sempre amei o que eu faço. Você tem que encontrar o que você ama. E isso é verdadeiro tanto para as pessoas que você ama como para seu trabalho. Seu trabalho vai ocupar uma grande parte da sua vida, e a única maneira de você estar satisfeito é fazer o que você acredita ser um ótimo trabalho.


20. Tudo Tem um Fim


"Lembrar que eu estarei morto em breve é a mais importante ferramenta de motivação para fazer grandes mudanças na minha vida. Por que quase tudo, todas eternas expectativas, todo orgulho, todo o medo, todo o fracasso, tudo isso não é nada perante a morte, deixando apenas o que é realmente importante."

Nosso tempo de vida na terra é curto. A quanto tempo você esta "tentando" sair de um emprego sem futuro? Pedir desculpas para aquele amigo? Ligar para aquele cliente?

O tempo voa. Faça valer a pena.

21. Faça Diferença no Universo


Jobs uma vez disse:
"Nós estamos aqui para fazer diferença no universo. Por qual outro motivo estaríamos aqui?" Só ter um próposito alto não ajuda você a encontrar o sucesso.


Vamos redefinir o significado da palavra SUCESSO! Você está pronto?
"A única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz. Se você ainda não encontrou, continue procurando. Não se acomode. Como em todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrá-lo".

Maçã, a marca da Apple continuará representando a criatividade de Steve Jobs.

____________________________________

Fotos: Site da Apple, Uol e Terra
Textos pesquisados na internet
e comentados por Ana Felix Garjan

Brasil, 7 de outubro de 2011
Universidade Planetária do Futuro - Ano II
Grupos ARTFORUM Brasil XXI - 12 anos


Grupos ARTFORUM Brasil XXI - 12 anos
Departamento de divulgação cultural
Edição: Ana Felix Garjan
__________________________________

Homenagem a Steve Jobs, por Ana Felix Garjan - Grupos ARTFORUM Brasil XXI




quarta-feira, 5 de outubro de 2011

São Paulo recebe VerCiência 2011 - Agência FAPESP


A Universidade Planetária do Futuro - Ano II divulga notícias da Agência FAPESP.

Pensamos sobre o hoje, o amanhã e o futuro. Pensamos sobre a Humanidade, a Justiça e a Paz. Depende de cada cidadão, das instituições, organizações e universidades, trabalhar em defesa da vida, dos direitos humanos, da natureza e da preservação do planeta.

Somos todos cidadãos planetários diante da necessidade da transformação das sociedades no mundo, da Justiça, da Paz. Que as ciências contribuam com a formação humana e uma nova siciedade.


_______________________________________

São Paulo recebe VerCiência 2011

05/10/2011

Agência FAPESP – Entre os dias 18 e 23 de outubro, São Paulo  sediará a 17ª Mostra Internacional de Ciência na TV – VerCiência, que  promove a disseminação do conhecimento e cultura científica a partir da  exibição de produções de televisão nacionais e internacionais.

Com curadoria de José Renato Monteiro, Sergio Castanheira Brandão e  Maria Isabel Landim, a VerCiência selecionou programas de formatos  diversos, entre documentários, docudramas e reportagens, voltados aos  públicos adulto e juvenil.

Além da exibição dos programas, palestras e cerimônia de homenagem  compõem a mostra. Neste ano a emissora de televisão pública japonesa NHK  será homenageada pela contribuição internacional à disseminação do  conhecimento e da cultura científica pela televisão.

Durante o evento, que integra o calendário oficial da Semana Nacional  de Ciência e Tecnologia 2011, 80 programas de dez diferentes países  (Brasil, Argentina, Chile, México, Colômbia, Estados Unidos, Reino  Unido, Japão, França e Itália) serão exibidos gratuitamente no Museu  Biológico do Instituto Butantan, Estação Ciência da Universidade de São  Paulo (USP), Museu de Ciências da USP, Catavento Cultural Educacional e  Biblioteca Mário Schenberg.

A curadora da edição da Mostra em São Paulo, Isabel Landim,  professora do Museu de Zoologia da USP, ressalta que, entre as novidades  para 2011, na Estação Ciência da USP os programas serão oferecidos  segundo a escolha do público. Os grupos que visitarem o local poderão  escolher os programas que desejam assistir em esquema de revezamento.

“O Museu de Zoologia da USP, que está fechado para reformas, em  parceria com o Sesc-Ipiranga oferecerá a oportunidade de o público de  São Paulo desfrutar da VerCiência fora do calendário da Semana Nacional  de Ciência e Tecnologia, na semana do Dia Internacional da Ciência, que  será realizada de 8 a 13 de novembro”, disse Landim.

Além de São Paulo, a mostra também será exibida simultaneamente no  Rio de Janeiro, em Brasília e em instituições de outras cidades,  cadastradas no site da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.

Este ano, os programas selecionados foram agrupados em seis grandes  temas da ciência: Mudanças Climáticas, Desastres Naturais e Prevenção de  Riscos, Ano Internacional da Química, Mulheres na Ciência, Evolução e  Biodiversidade e Aventura da Ciência.

Landim explica que os dois últimos temas são “cativos” e compõem a  mostra desde a sua primeira edição. “Os outros têm motivações. Mulheres  na Ciência, por exemplo, foi uma homenagem à polaca Marie Curie (1867-  1934), uma das grandes cientistas do século, que ganhou o Prêmio Nobel  de Física em 1903 e o de Química em 1911”, contou. Mudanças Climáticas e  Desastres Nacionais e Prevenção de Riscos são os temas principais da  Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.

A entrada para as sessões é gratuita e a classificação das produções é de 14 anos.
 

A programação de cada instituição (com horários, títulos e sinopses  dos programas) está disponível na página de cada instituição na seção  Mostras/São Paulo em http://www.verciencia.com.br/

______________________________

Brasil, 05/10/2011

Universidade Planetária do Futuro
Centro de Ciências e Tecnologia



Universidade Planetária do Futuro - Ano II
Cultura Humanista-planetária

.
http://universidadeplanetariadofuturo.webstarts.com/about.html
.
Departamento de Divulgação Científica

Diretora Geral:
Profa. Dra. Maria de Fátima Félix Rosar e Grupos
Educação, Ciências, Sociedade


Grupos ARTFORUM Brasil XXI - 12 anos
www.cidadeartesdomundo.com.br
_______________________________________

sábado, 1 de outubro de 2011

Abertura do espaço da Universidade do Futuro. Brasil, 28/12/2009

Na política do mundo globalizado está dada a largada para uma nova cadeia de intenções, atitudes e hábitos, diante das questões graves apresentadas pelos diversos cientistas e governantes dos 192 países que estiveram no encontro da cúpula da COP15, em dezembro de 2009. A nova estratégia de superação da crise do planeta e do mundo está sendo chamada de Nova Revolução Verde, pois o mundo já consome mais do que a natureza produz. Caberá aos homens e mulheres dos países, culturas e etnias descobrirem novas formas e hábitos que contribuam com a sustentabilidade que se faz necessária e urgente. O ano de 2010 será o Ano Internacional da Biodiversidade, e será muito importante para fechar a Primeira Década do Século XXI. A partir da Segunda Década o mundo iniciará, de forma mais veloz, o seu encontro com o Ano de 2050, onde estarão as novas fórmulas científicas que poderão garantir o futuro da humanidade do Planeta Terra. Ele é um orbe que tem seus sistemas independentes dos sistemas do homem, mas o mundo precisa refletir sobre suas atitudes em relação à natureza, aos animais, às águas, aos sistemas vivos, e às grandes causas da nossa humanidade. Brasil, 28 de dezembro de 2009. Ana Felix Garjan - Idealizadora do projeto Universidade Planetária do Futuro e membro da comissão dos fundadores da sociedade cultural, sem fins lucrativos: Grupos ARTFORUM Brasil XXI, que organizou o Plano Nossa Década 2001 - 2010 e o Programa Universidade Aberta "Telhados do Mundo" .
Nossos sites principais: : http://www.artforumunifuturobrasil.org/ - http://www.cidadeartesdomundo.com.br/ - http://www.cidadeartesdomundo.com.br/MV.html Cultura Humanista-Planetária por um mundo melhor.

Primeiro Documento Oficial da Universidade Planetária do Futuro

Aos vinte e três dias do mês de março do ano de 2010 - o último da Primeira Década do Século XXI foi realizado um Fórum – Conferência dos fundadores, diretores e consultores dos Grupos Artforum Brasil XXI e da Universidade Planetária do Futuro, após reuniões, roteiros metodológicos e projetos especiais registraram a organização da estrutura da Universidade Planetária do Futuro, considerando a primeira reunião realizada em dezembro de 2009. Foram aprovados artigos do documento filosófico da UNIFUTURO, para fins de sua institucionalização, em nome da História, da Filosofia, da Ciência e da Cultura Humanista-Planetária. ***ARTIGOS APROVADOS ***Artigo I - Que a ética humana, as filosofias, ciências, culturas, literaturas, linguagens e as tecnologias de todas as áreas e setores do mundo se voltem para a construção de novos projetos que contribuam para a construção de um novo mundo justo, pacífico e humanizado, nas próximas décadas, séculos e milênios. *** Artigo II - Que possamos contribuir com a justiça e a paz mundial, a partir de efetivas mudanças e da transformação da sociedade mundial e seus sistemas. Que sejam vivos e reais os Direitos e Deveres da Humanidade para com a Pessoa Humana, a Natureza, os Animais e o Planeta. Desejamos que sejam concretas as atitudes humanas e a solidariedade em prol de um mundo mais humanizado. ** Artigo III - Que os direitos humanos sejam respeitados em todos os países e territórios do mundo político e social. Que as Filosofias, Ciências, Culturas e Artes sejam conexões de justiça para os povos e cidades abandonadas do mundo. Que haja Justiça e Paz para as mulheres e seus filhos mortos/desaparecidos no Brasil e em todos os países. ***Artigo IV - Que todas as ciências, tecnologias, artes, linguagens estéticas, literatura e atitudes humanas contribuam para as mudanças que se fazem necessárias e urgentes, para a transformação da sociedade mundial. ***** Artigo V - Que as pessoas, grupos, comunidades, associações, organizações e instituições e governos cumpram com seus deveres e com seu papel transformador, no âmbito da sociedade onde estão inseridas. Que todo saber e conhecimento contribuam para o novo tempo do mundo, nesse início da segunda década do século XXI. ** Conclusão em síntese: Somos todos sementes da arte da humanidade da Terra, através da cultura, das ciências humanas, das ciências sociais e das tecnologias humanizadas, neste ano de 2010, e em nosso país, o Brasil que registra seus 510 anos de história, educação, cultura e literatura. *Somos semeadores do futuro e passageiros do amanhã. Que haja transformação das sociedades, em prol da Justiça e Paz da humanidade.*** Brasil, 23 de março de 2010 - Século XXI-Terceiro Milênio. Assinam este documento os Fundadores, Diretores, Coordenadores e Consultores da Universidade Planetária do Futuro. Brasil, 23 de março de 2010 - Último ano da 1ª Década do Século XXI.

Homenagens da Universidade Planetária do Futuro, em 2010

Nosso Tributo à África - seu povo e cultura; às Américas; aos cinco continentes, aos mares, oceanos, terras, povos do mundo, à diversidade cultural de hoje e do futuro. Homenagem ao Brasil - Cinco séculos de história, cultura e instituições oficiais. Homenagem aos representantes das etnias que formaram o povo brasileiro, e ao seu futuro. Homenagem aos grandes nomes da História, da Educação, da Cultura e Ciências, e das áreas do conhecimento científico desenvolvidos ao longo dos três milênios, nos séculos e décadas do mundo. Homenagem aos que lutaram e lutam pela Justiça e Paz Mundial em prol de um Mundo Melhor. Homenagem e reconhecimento às pessoas, grupos e organizações que trabalham pela Educação e Cultura Humanista - Planetária, em prol da nossa humanidade, da natureza e do planeta. Brasil, janeiro de 2010. Conselho Universitário, Diretores, Coordenadores e Consultores da Universidade Planetária do Futuro.

Universidade Planetária: Filosofias, Culturas e Ciências 2011.

*UNIVERSIDADE PLANETÁRIA DO FUTURO - Aos 25 dias de setembro de 2011 foi celebrado e divulgada e estrutura administrativa da Universidade Planetária do Futuro, para que ela possa atingir seus objetivos e missões. A presidência será formada por membros do Conselho Diretor , Coordenadores e Colaboradores. *Estrutura da Universidade Planetária do Futuro - UNIFUTURO: *Centro de Ciências Sociais *Centro de Pesquisa e Ciências do Meio Ambiente. *Departamento de Arte Educação. *Departamento de Comunicação, Divulgação Científica e Cultural. *Departamento de Projetos Especiais. *A Representação e divulgação da Unifuturo será desenvolvida através de sites, blogs e páginas em redes sociais *** Brasil, 25 de setembro de 2011. Bem-Vindos! Welcome! Bienvenidos!

Somos passageiros do futuro e trabalhamos pelo Mundo Melhor.

O "Manifesto Verde pela Paz da Humanidade e do Planeta", dos Grupos ArtForum Brasil XXI foi escrito em 2001, como resultado de fóruns e diálogos dos Grupos Artforum Renasissance vie Universelle, Artforum Mundi Planet, com grupos universitários e organizações de cultura e meio ambiente. Os fóruns foram coordenados por Ana Felix Garjan, que elaborou o texto - mantra do Manifesto Verde Pela Paz da Humanidade e do Planeta, em 2001. O manifesto inspirou a "Carta Magna" da Universidade Planetária do Futuro - 2ª Década do século XXI. *****Manifesto Verde pela Paz da Humanidade e do Planeta: http://www.cidadeartesdomundo.com.br/MV.html

Grupos Artforum Brasil XXI

Grupos Artforum Brasil XXI
Logo UNIFUTURO-Brasil XXI

Arquivo do blog